UMA HISTÓRIA NA DOCÊNCIA: ENTRE O APOIO, O SILÊNCIO E A RESISTÊNCIA


Por: Ana Carolina Galvão*

Participei de um “Encontro Formativo” oferecido pela Departamento de Desenvolvimento Pedagógico da Ufes. Senti profunda vergonha… Não estou falando sobre ensino remoto: sim ou não. Também não me refiro a uma falsa polêmica que se tenta colocar numa dicotomia pautada pela lógica formal do nós x eles. Estou com vergonha do nível de preparo para “formar” para o ensino remoto. Não é uma atitude pessoal. É o Departamento de Desenvolvimento Pedagógico materializando uma política institucional praticada por pessoas, o que é muito diferente.

Dizem eles/as que é preciso ter calma e saber que vamos ter dificuldades e limites. Por isso, de acordo com as “dicas” de “Boas práticas dos professores no ensino remoto”, é necessário que a/o docente se prepare “emocionalmente e tenha paciência com os problemas de conexão [1]”, além de “enfrentar esse cenário atípico com motivação [5]”; não se cobrar muito, afinal, “estamos no meio de uma pandemia [3]” e compartilhar “conhecimentos com seriedade, mas sem perder a leveza [4]”.

Como se preparar emocionalmente? Muitas/os recorrem/recorrerão a medicamentos, terapia e outros recursos, para enfrentar esse “cenário atípico”, em que nossa instituição nos meteu, sem nenhum suporte, sem adequado planejamento e sem priorizar a vida das pessoas. O quadro hoje é que podemos adoecer e perder nosso viço (ou “leveza”), não necessariamente por termos sido acometidas/os pela Covid-19, mas pela situação de sofrimento que nos é imposta.

Sinto a angústia das/os docentes que recebem modelos de passo a passo “muito intuitivos”, dizem eles/as e assim colocam a responsabilidade de quem não consegue acompanhar, em cada indivíduo, que se sente incompetente, incapaz, despreparado, desamparado. A angústia vira dor, física e psicológica e afeta diariamente cada vez mais docentes.

Nos sentimos abatidas/os, porque não nos basta indicar: “se organize para as aulas e crie uma rotina [7]”. Qual rotina? Não estamos “no meio de uma pandemia”? A rotina do possível não comporta nossas vidas nessa caixa de suposta normalidade. É vazio, portanto, dizer: “cuide-se: esteja atento às questões ergonômicas, à saúde mental e à sobrecarga de trabalho [10]”.

Em certa altura do Encontro Formativo, questionei se era indicado restringir as perguntas de estudantes, com dinâmicas como a que nos foi proposta (as pessoas tinham apenas 1 minuto para escrever suas perguntas no chat). A explicação foi que com uma turma muito grande e/ou muito “falante”, será preciso limitar, pois do contrário seria/será impossível responder a todas/os. Faz sentido. Num modelo virtual, onde sequer conseguirei ver todos os rostos das/os discentes, não posso ter a expectativa de conseguir dar conta de tantas coisas. Preciso “não me cobrar demais”…

Em mais de duas décadas de docência, entre a educação infantil e o ensino superior, nunca deixei de responder uma pergunta. Mesmo que fosse para dizer que não sabia a resposta e que voltaria a tratar do assunto em outro momento. Mas não me lembro, nunca, de ter dito que não podia responder por falta de tempo ou por metodologia. Aliás, considerando a tônica epistemológica colocada no Encontro Formativo, de uso de metodologias “ativas”, em que se sustenta a construção de conhecimento pelas/os próprias/os discentes, é contraditório limitar suas vozes, não?

Chega a ser ofensivo nos orientar a não nos cobrar demais. Como servidora pública, tenho compromisso com a qualidade do trabalho que realizo e que é destinado ao povo, que deve ser respeitado e ter o melhor do serviço público. Dizer que posso fazer algo meia boca e justificar a baixa qualidade de meu trabalho por causa da pandemia, a um só tempo, corrobora os inúmeros ataques e desqualificações que fazem de nós e atesta que não devíamos estar nos preparando para lecionar por ensino remoto, por ser um modelo de péssima qualidade.

Mas o ensino remoto é uma “solução que nos tira de uma situação de ausência”, disse o reitor! Ausência de quem? Eu não me ausentei um único dia de minhas atividades. Mantive intensa e precariamente (pela falta de condições de trabalho adequadas oferecidas pela Ufes) tudo o que diz respeito às tarefas administrativas (incontáveis reuniões de departamento, colegiado, fóruns etc.), de pesquisa (sete orientandos de pós-graduação, participação em bancas de mestrado e doutorado, elaboração de 5 artigos científicos) e diria que indiretamente, também de ensino, porque continuo lendo, estudando e isso terá repercussão em minha prática pedagógica. Então, se houve ausência, ela não foi nossa e deveríamos ser defendidos por nosso dirigente e não exposto por ele como negligentes e faltosos.

De tudo isso, fica uma lição que aprenderemos a duras penas: ou nos apoiamos e nos fortalecemos com muito afeto e com muita resistência, ou seremos engolidos pelas narrativas de que deu tudo certo nesse modelo indecoroso adotado na Ufes. E entraremos para a história com nome, endereço, CPF e Siape de quem participou disso, seja pelo apoio, seja pelo silêncio.

Ana Carolina Galvão: pedagoga, doutora em Educação Escolar, professora do Departamento de Teoria do Ensino e Práticas Educacionais do Centro de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação da Ufes. Docente da área de Didática e Prática de Ensino. Líder do grupo de pesquisa “Pedagogia histórico-crítica e educação escolar” e membro do Grupo de pesquisa “Estudos marxistas em educação”. Realizou estágio de pós-doutoramento na Unicamp sob orientação do Professor Dermeval Saviani. É autora de artigos científicos, capítulos e livros, entre eles “Fundamentos da didática histórico-crítica”, escrito com Tiago Nicola Lavoura e Lígia Márcia Martins (2019), indicado ao Prêmio Jabuti 2020 na área de Educação e Pedagogia e “As perspectivas construtivista e histórico-crítica sobre o desenvolvimento da escrita”, finalista do Prêmio Jabuti em 2016 na mesma área.

Obs. 1: os trechos entre aspas são dos slides exibidos durante o Encontro Formativo, sob o título mencionado no texto: “Boas práticas dos professores no ensino remoto”.

Obs. 2: os números entre colchetes correspondem à numeração das “Boas práticas dos professores no ensino remoto”.

Obs. 3: optei nesse texto por dar foco ao aspecto da formação docente, o que não significa que angústias e dificuldades não existam para técnicos e discentes.

Obs. 4: nesse texto escrevo como professora da base do sindicato, ainda que nesse momento esteja como dirigente, pois quis me expressar do lugar da docência, o que não implica nenhuma divergência com minhas/meus companheiras/os de diretoria da Adufes.

====================================================================

Os textos dos docentes não expressam, necessariamente, a opinião da diretoria da Adufes. Se você, docente associada (o), deseja contribuir com textos autorais ou co-autorais opinativos, análises, crônicas, ensaios, poemas, contos, envie-nos em formato doc (aberto), acompanhado de uma foto e breve biografia.

Como manifestação livre da categoria, as contribuições podem versar sobre temáticas direta ou indiretamente ligadas às pautas do movimento sindical. Recebidos em fluxo contínuo, os textos serão publicados conforme a ordem de recebimento ou urgência do tema. Envie para o e-mail comunicaadufes@gmail.com

Fonte: Adufes